Seja muito bem-vindo ao Sonhos que vivo. Amores que sinto!


Seja muito bem-vindo (a) ao "Sonhos que vivo. Amores que sinto"!

Cada postagem que você encontrar aqui, foi escrita e publicada com muito carinho. Esse blog foi feito para você!
Aqui você encontrará lindos poemas de amor, de amizade, saudades e, agora com a super novidade: poemas religiosos (poemas gospeis)!
Você encontrará reflexões, versos, mensagens e ainda poderá deixar a sua opinião, participando do blog e ajudando a melhorá-lo, afinal, é importante saber a opinião dos meus leitores, pois é para vocês à quem escrevo!
Você poderá clicar nos marcadores e ir diretamente ao que lhe interessa, onde constam "poemas", "versos", "mensagens", etc...assim, facilitará a sua viagem nesse mundo de poemas, ao blog SONHOS QUE VIVO. AMORES QUE SINTO...

Obrigada pela visita aqui, espero que tenha gostado e volte sempre!
Se puder, deixe sua opinião, para que assim possemos melhorá-lo cada vez, além de deixar um toque seu aqui, um cantinho feito pensando em você, exclusivamente!

Desde já agradeço por sua visita, espero que goste e volte sempre...

Obrigada!

quarta-feira, 12 de julho de 2017

Poema: "Meu prazer" (Joserlene Brito)



Que falta me faz os teus beijos,
Que saudade sinto do seu calor,
Que falta tenho dos teus desejos,
Que saudade tenho do teu amor...

Te tenho aqui tão perto,
Parece tão longe de mim,
As vezes tudo parece tão incerto,
Ou será que tudo já chegou ao fim?

Te olho com o mesmo amor,
Te quero com o mesmo querer,
Te desejo com o mesmo fervor,
Só para ti guardo o meu prazer...

Sinto a tua pele chamar pela minha,
Tua boca sente sede do meu sabor,
Minha pele também está sozinha,
Ela espera por teu calor...

Não me olha como antigamente,
Parece que algo mudou,
Se o amor ainda arde entre a gente,
Por que o seu por mim calou?

Toca a minha pele como quem se despede,
Deixa eu sentir a tua voracidade,
Rouba de mim o que não se pede,
Me deixa ser a tua intimidade...

Seja a roupa que o meu corpo veste,
O batom que cobre a minha boca,
Seja do meu desafio o teste,
Seja a lucidez que me deixa louca...

Eu te amo desde o início,
Nada em mim mudou,
És o meu céu e o precipício,
O paraíso que o amor me levou.

quinta-feira, 22 de junho de 2017

Poema: "Gerando Amor" (Joserlene Brito)


Meu sonho se realizou,
Agora eu tenho você,
A minha vida mudou
Quando você começou a crescer...

Cada mudança valeu à pena,
Cada sentimento era sem igual,
Quando você mexia tão pequena,
Me abria um mundo surreal...

Você é tudo o que sempre quis,
Desejo maior do meu coração,
Hoje eu sou completamente feliz,
Pois, hoje vivo por uma razão...

Gosto de falar com você baixinho,
Sentir que você me respondeu,
Imagino como será seu rostinho,
Se puxou ao pai ou ao meu...

Quero contar seus dedinhos devagar,
Analisar cada detalhe que eu puder,
Quero me esquecer ao te abraçar,
E de menina, me tornar mulher...

Me sinto realizada com sua companhia,
Já sinto um amor incondicional,
Quero estar contigo todo dia,
Meu presente celestial...

Resposta de minhas orações,
Graça do Criador,
Melodia de minhas canções,
Essência do divino amor...

Te amo desde agora,
Te amarei para sempre,
Te amo nesta hora,
Amarei eternamente.

Poema: "Pai é quem cria" (Joserlene Brito)


Nunca compreendi a distância,
Talvez pudesse me explicar,
Mas, eu ainda era criança
Quando você decidiu me ignorar...

Passaram-se muitos anos,
O tempo levou muita gente,
Tive que criar novos planos,
Também cresci de repente...

Talvez eu quisesse perdoar,
Mas, ainda há um ressentimento,
Demorou demais para me procurar,
Tenho outro pai nesse momento...

As pessoas não conseguem entender,
Acham que existe ódio demais,
Talvez em meu lugar poderiam ver
Que crianças necessitam de seus pais...

Hoje eu cresci,
Você nunca esteve ao meu lado,
Quem me criou, foi que sempre vi
Quando você estava tão afastado...

Tenho um só pai,
Esse que me criou,
Criticar, muita gente vai,
Mas, o verdadeiro pai, é quem dá amor...

Esperou duas décadas para lembrar de mim,
Ainda não sei o por quê,
As minhas dúvidas tiveram fim,
Eu pude entender...

Você se afastou de mim quando precisei,
Sei que perto, não iria me ajudar,
Minha mãe esteve comigo quando necessitei
E com um verdadeiro pai, eu pude contar...

Meu pai é quem me criou,
Essa é a verdade,
Pai não foi quem gerou,
É um estranho na minha realidade.



(Homenagem ao meu padrasto Francisco Antônio)

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

Poesia: "Carta para meu amor" (Joserlene Brito)



Amor, hoje te escrevo cheia de saudades...
Lembrei daquele dia em que nos conhecemos...que lindo foi!
Tomamos rumos tão diferentes, faz parte dos mistérios da vida.
Não sei bem o que lhe dizer nesta carta, mas, o essencial é que você saiba que, hoje, mais do que nunca, eu acordei pensando em você, em nós dois!
Tenho lembrado do quanto nos divertíamos, do quanto ríamos juntos...do quanto nos beijamos e nos tornamos um só...
Hoje, preciso me conformar em saber que a matemática da vida me tirou você e eu voltei a ser apenas um, apenas metade de um...
Talvez ninguém entenda o quanto você foi importante pra mim, talvez eu não entenda o quanto você ainda é importante pra mim...mas, não importa.
De que vale as pessoas entenderem, ou até mesmo, eu conseguir entender, se você não se importar, se você não entender...
Você é quem dá sentido à tudo, é quem dar cor...
Meu mundo se tornou tão vazio e tão cinza, se foi quem preenchia, quem coloria!
Não quero lhe convencer de nada, nem estou reclamando de sua partida, quero apenas que você saiba que, no momento em que você partiu, você levou consigo a minha razão de viver.
Não tenho fotos, não tenho nada mais...só tenho de você essa saudade que parece não ter mais fim...
Não tenho conseguido dormir sem pensar em você antes, não tenho dado risada sem lembrar daquelas que damos juntos, não consigo, sequer, chorar sem lembrar de você...acho que você está impregnado em mim, em tudo!
Saiba que eu preciso desistir desse amor, não por que eu não te ame como antes, ou por que você não mereça, mas, eu preciso desistir simplesmente por que não tenho mais condições de sofrer...
Preciso encerrar esta carta, preciso me despedir...
Mas, quero que você saiba que, quando me ver sorrindo por ai, não pense que estou feliz vivendo sem você, apenas rio para me lembrar que antes de amar você, eu amava a mim...eu preciso me reconquistar e me amar novamente...
De você quero ter apenas as boas lembranças, até que um dia, elas também me deixem, e eu passe a tratar você da mesma maneira como você me trata...como um estranho qualquer.
Agora, eu preciso lutar por mim mesma e recuperar tudo aquilo que você me tirou...
Mas, se caso não der certo, ou eu não conseguir...fique sabendo que a culpa é sua, que meu coração é seu...que minha vida é sua...que só você poderá me devolvê-los, devolva-os...voltando pra mim...
Desculpa por tudo, mas, você chegou sem pedir licença e se foi sem deixar adeus...
Me levou tudo...me deixou nada...
Mas, ainda assim, eu preciso te dizer que sou tomada por uma felicidade incontrolável quando lhe vejo e que vai demorar muito até que eu consiga controlá-la...
Te amo, amor.
Lhe dou o adeus que você não me deu...

Poema: "Siga seu caminho" (Joserlene Brito)



Não sei o que aconteceu,
Onde será que nos perdemos?
Onde está o amor que me conheceu?
Por quê não mais o vemos?

Talvez, meu coração tenha se iludido,
Agora ele desperta aos poucos,
Aquele amor que sonhei, está perdido,
Meu coração está ficando louco...

Imaginava algo diferente,
Um amor arrasador,
Mas, tudo mudou de repente,
Seu amor só me trouxe dor...

 Não sei como seremos daqui por diante,
Só sei que não quero continuar assim,
Não posso amar a todo instante
Quem só desfaz de mim...

Eu estava iludida, admito...
Mas, agora eu acordei!
 Esse amor que era tão bonito,
Só eu amei...

Estou parando por aqui,
Siga seu caminho longe dos meus,
Não quero lembrar que te conheci,
A partir de agora, adeus!

Poema: "Que amor é esse?" (Joserlene Brito)












Que amor é esse que me domina,
Que me exalta,
Que me fascina,
Que me falta...?

Que amor é esse que me tira o chão,
Que leva o ar,
Que me tira a razão,
Que me faz tropeçar...?

Que amor é esse que me ocupa,
Que me esquece,
Que me culpa,
Que me aquece...?

Que amor é esse que me condena,
Que me prende,
Que me faz plena,
Que me rende...?

Que amor é esse?
Eu não consigo entender...
Meu coração procura esquecer,
Mas, cada vez menos esquece...

Eu esqueço de mim para te lembrar,
Eu esqueço de viver para te amar...
Eu esqueço que amor é esse em mim,
Eu deixei de entender o mundo pra ficar me perguntando assim:

Que amor é esse?
Ah, é um amor sem fim!